quinta-feira, novembro 22, 2007

A ALMA DE NOVO

Tenho continuado com as minhas pesquisas sobre a alma e, aqui, aproveito para agradecer ao amigo Sempre Jovem João Soares que, com o que disse iluminou a minha mente bastante mais, tudo o que disse foi valioso mas, ainda não me dou completamente por satisfeita. Eu sei que "completamente" será impossivel devido ao facto de a alma não se ver, nem se tocar. Não ver e não poder tocar é algo dificil de aceitar e de compreender. Quanto ao nosso amigo DeProfundis, por suas próprias palavras foi direito ao assunto sem mais delongas, dizendo que não acreditava na alma e, por isso, intitulou-se, ele próprio, "desalmado" ao que, e peço me perdoe, achei piada e tive que me rir. Ora, está no seu direito. Cada um é livre para ser como quer mas, permita-me que lhe diga que, depois do riso veio-me a tristeza. Que bom seria, e que feliz eu seria, se todos acreditassem no divino! Quanto a mim, acreditar no divino é reconfortante, é como ter alguém num lugar que também ninguém conhece, mas a quem nos podemos dirigir nos nossos silêncios. conversar, pedir, agradecer... Quando algo de muito trágico acontece, envolvendo princilmente crianças indefesas e tão maravilhosas, imediatamente me vem à ideia aquele poema BALADA DE NEVE de Augusto Gil (Luar de Janeiro) "mas as crianças Senhor, porque lhes dais tanta dor, porque padecem assim? Aqui sinto um desfalecer, meu interior estremece com as dúvidas que me assaltam em momentos destes. As dúvidas que eu não queria ter mas que tenho.

Voltando à alma, eu diria que ela á uma energia que nos envolve, que nos faz sentir, pensar, actuar, sendo no entanto uma entidade separada do corpo. Será a parte espiritual dos humanos separada da parte física. É a parte espiritual dos humanos, tida no seu aspecto moral como sobrevivente à morte e sujeita à felicidade e à miséria duma vida que se seguirá e que ela, terá talvez de acompanhar de novo, numa nova missão . Aqui entra a imortalidade da alma. Morre um corpo mas a energia alma, essa, não morre. A maior parte das pessoas não acredita na imortalidade. Nunca mais esqueci a tristeza que me atacou quando, certa vez, saí do consultório dum médico amigo, agnóstico, que me disse, com uma certeza tipo punhal "não acredites nessas coisas, isso é tudo inventado, a gente morre e pronto, tudo termina". Senti-me como que vestida de luto, vazia e pensei... viver uma vida inteira a pensar deste modo é viver uma vida puramente material onde não há esperança, nem conforto, sendo, consequentemente, a morte um acontecimento que nos está reservado, a todos, pobre ou rico, bonito ou feio, muito mais difícil de aceitar. Como dizia o meu amigo médico, homem inteligentíssimo, "minha querida acabamos todos na terra e...nem digo mais, é feio, é triste...

Muitas vezes tem acontecido, dentro das famílias, um filho adoecer. Uma doença difícil, complicada. E o que fazem esses pais doloridos? Decidem finalmente recorrer ao Alto e pedir o milagre da cura. Se são pais que não acreditam, então porque o fazem?

Porém, voltando ao feio e ao triste, por mais que me digam coisas assim, felizmente, mantenho a minha maneira de ver, porque daí nenhum mal me ataca, nem a mim nem a ninguém.É a nossa liberdade. O fanatismo, esse sim, traz más consequencias, vejam-se a religiões fanáticas!!! Ora, eu, continuo a olhar para as estrelas, a conversar com o meu Pai Divino, a agradecer o que tenho e às vezes a pedir o que preciso. Aqui, lembro-me duma pequena história verdadeira, que aconteceu comigo e que não resisto a contar. Vou muitas vezes, nos fins de semana com os meus netos pequeninos, almoçar aos Centros Comerciais e, numa dessas vezes lembrei-me de dizer em ar de brincadeira, mas com uma ponta de esperança dentro do meu coração, já que às vezes é tão dificil encontrar lugar para parar o Ferrari ( lol )! Pai, já sabes, preciso dum lugarinho para para o carro. E, não é que, quando entro encontro logo lugar (muita gente dirá...coincidências. Quem sabe?). A cena repete-se e volto a repetir o pedido do costume e lá está outro lugar à minha espera. Os netos começaram a achar piada ao assunto e, certa vez em que me esqueci de fazer o pedido do costumo, não encontrei lugar, dei voltas e voltas até que a M. me disse: Vovó, esqueceste-te de pedir ao Papá do Céu!!! É verdade minha querida, tens razão, e, de repente vaga um lugar e todos ficamos contentes pois a fominha já estava apertando.

6 comentários:

A. João Soares disse...

Cara Amiga Milai,
Respeito e admiro quem assim pensa e age.
Quanto à minha posição acerca de religiões, creio ter publicado no Do Mirante ou no A Voz do Povo, em Dezembro passado, um post.
Sugiro-lhe o livro CONVERSAS COM DEUS de Neale Donald Walsch, editora Sinais de Fogo. São vários volumes mas apenas li o primeiro por na altura não dispor de tempo.
Há quem defenda que as religiões foram criadas por homens sábios para obter respostas a situações difíceis de conhecimento e de crise. Deus, segundo os cristãos, sendo justo, não pode alterar as regras existentes na Natureza, que ele criou. Isso seria incorrecto. Portanto, não devemos esperar milagres.
Ao homem foi dado livre arbítrio, podendo decidir correcta ou erradamente e receberá os benefícios ou os inconvenientes de tais decisões. Aí Deus não quererá ser injusto e proteger os amigos (tal injustiça e imoralidade só existe nos políticos que abusam do poder em benefício de familiares e amigos).
Se tudo acontecesse com a beleza que desejamos, as inocentes crianças de Augusto Gil não sofreriam tanto, bem como os pobres e os doentes graves. E ninguém deixaria de encontrar lugar para estacionar o Jaguar!
Ouvi há tempos um espirita falar da imortalidade da alma e da sua reencarnação até atingir a pureza total. Gostei de ouvir uma argumentação muito bem estudada e aperfeiçoada durante anos por pessoas inteligentes. Mas, confesso, que não aderi a tais ideias. Ninguém é obrigado a creditar seja no que for, por que as coisas mais evidentes podem ser ilusionismo.
Cara Milai, continue com a sua pureza de sentimentos e não sofra com as ideias diferentes. Os escolhidos são poucos, e a amiga é uma delas. Tenha muita felicidade com a sua fé e pratique sempre o bem, para salvar a sua alma e a vida ds que precisam de apoio.
Beijinhos de amizade
João

Anónimo disse...

Meu Bom Amigo,

As suas palavras trazem-me sempre alegria e conforto.Reencarnação é também um tema que me faz pensar. Quem sabe se um dia algo de grande e divino acontece para tirar as nossas dúvidas. Olho a imagem de Deus e digo-lhe, por vezes: Pai, cala a boa daqueles que te ofendem. Tu que tudo podes, porque não fazes algo para salvar o que criaste? Salva a natureza tão bela que nos deste para fazer as nossas delícias. Deus gosta que concersemos com Ele!
Conhecemo-nos, eu e o João, por um puro acaso da minha parte. o seu nome chamou a minha atenção pela simplicidade com que o expôs como ele é, sem recorrer a nomes esquesitos e difíceis até de ler. Enquanto este pensamento ocupava a minha mente, o meu dedo direito clickou nele e, de repente senti que tinha tomado uma decisão que parecia não ter partido de mim. As visitas ao meu blog, os comentários maravilhosos que me envia e que até têm o condão de aumentar a minha auto-estima, a amizade tão pura que demonstra, sou levada a pensar que foi uma coisa boa que me aconteceu. Aí, a tentação de pensar em milagres.

O livro que me aconselha já o tenho mas de Murphy. Mesmo assim vou comprá-lo e poderei fazer comparações. Agora aconselho eu um que, se não tiver e o comprar deve gostar dele: " SINAIS DE DEUS" DE Albert Clayton Gaulden. Ainda não o li todo mas já gostei do que li.
Como diz o neu neto Sebastião que aninhos amanhã.

Milhões de beijos e dorme bem vovó...

Milai

A. João Soares disse...

Querida Amiga Milai,
Talvez Deus quisesse que deixasse a dúvida do dia de anos do Sebastião! Penso que ficou no teclado a pequena palavra faz.
Mas, se faz anos hoje 25 de Novembro, não posso deixar de lhe enviar um beijinho com os votos de muitas felicidades na vida, fazendo tudo com vista a isso, e encontrará nas palavras da religião conselho seguro para trilhar o bom caminho.
Mas, por favor, amiga Milai, não diga que foi milagre ter-me conhecido. Sou um simples ser mortal que se preocupa em olhar as coisas com intenção de as compreender e de tentar, com a sua boa vontade, melhorar aquilo que pode ou deve ser aperfeiçoado. Gosto de olhar para cada coisa situando-a num ambiente conceptual muito vasto, como a humanidade, a Natureza, o espaço infinito. Nesse espaço tenho encontrado gentes muito diversas, como a Milai e outros, cada um com as suas características próprias, usando o seu livre arbítrio da forma que julgam melhor. Alguns, por erro de avaliação, conduzem-se de forma anómala quanto às implicações com os outros (repare que não digo semelhantes, porque acho que a grande virtude é amar os diferentes).
Gosto de ler o que a Milai escreve e considero que seria interessante reunir num mesmo texto o que consta neste post e naquele que inseri no Sempre Jovens, com os comentários respectivos. Seria um documento com opiniões diferentes que merecia ser reflectido. Um dia o Sebastião iria gostar de o ler!!!
Beijinhos
João

xt disse...

parabens poe este texto á laia de conversa informal!é disto que vive um blog!é quase um diário!Gostei de ler .Prabens e obrigado pelas constantes fotos"roooouuubadasss"ao meu sitr (lol)

bjsss e bom domingo
GRAÇA

Sebastião disse...

Olá!!! Desculpe não ter respondido antes ao seu comentário!!! Sei que já fiz anos no fim de semana passado mas tentei vir ao computador o mais depressa possível, pois o meu irmão mais velho está a tirar um curso de estilismo e maior parte dos seus trabalhos tem que ser feitos a computador. Voltando ao que interessa queria-lhe agradecer muito por se ter lembrado do meu dia de anos, foi muito atensioso da sua parte!
Muito obrigado

Sebastão

Sebastião disse...

Pesso desculpa por nao me ter lembrado de por " Olá Sr.João Soares" no princípio do comentário!
Admito que sou um cabeça no ar.
Desculpas

Sebastião