terça-feira, dezembro 09, 2008

O MEU MAR


As águas verdes
tranquilas ou ondulantes
que os meus olhos enxergam
e admiram sem descanso,
pertencem ao meu mar
porque nele me molho se quero
ou só o olho e não me molho.

As areias lisas
ou já calcadas,
pertencem ao mar verde
que as alisa quando quer.
Porque uma areia lisa
lembra uma seda
muito brilhante
muito ondulante
se uma brisa houver.

Estendo-me nessa areia de seda,
sinto o calor que me aconchega.
Cobre-me o azul do céu
que me encanta, me enleva
e acalma meus turbilhões.
Medito, relembro o que já passou,
elevo as minhas orações,
mas...esqueço. Lembrar para quê?

2 comentários:

Ana Martins disse...

Olá,
parabéns, um poema com sentimento e brilho.

Beijinhos

Mara disse...

Obrigada querida Ana Martins.

Beijinhos